quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Creedence parabeniza Atlético-MG por seu Centenário

O que se ouviu nas arquibancadas Brasil afora em 2008 foi uma renovação na lista de canções das maiores massas do esporte nacional. Apesar da propagação de coisas como o Créu, que chegou a figurar em diversas páginas no site oficial da FIFA, há de se valorizar as multidões que cantaram e reinterpretaram clássicos do Samba, da MPB, e do Pop/Rock internacional.
Se em campo, na bola e nos bastidores, a torcida do Atlético-MG não encontrou razões para celebrar o Centenário do clube, então que se orgulhe de si mesma pelo menos musicalmente.
O hino do alvinegro, escrito por Vicente Motta e eleito “o mais belo hino de um clube de futebol do mundo” em concurso realizado em Nápoles, Itália, no ano de 1976², geralmente é a força maior que embala o time. Vou Festejar, composição da genial parceria firmada por Jorge Aragão, Dida e Neoci Dias, imortalizada na voz de Beth Carvalho e há muito considerada o segundo hino do Galo, vem logo depois, sempre entoada pelas dezenas de milhares de pessoas que lotam o Mineirão semanalmente.
Não satisfeita com estas duas tradicionais e conhecidas músicas, a torcida acrescentou a seu repertório versões para Aquarela do Brasil de Ary Barroso e Have You Ever Seen The Rain do Creedence Clearwater Revival, criadas pela Torcida Organizada Galoucura (TOG).

Stu Cook ao centro
Segundo Anderson Arcebispo, um dos Conselheiros da TOG, a música do Creedence será prioridade em 2009: “Imaginar 60 mil atleticanos cantando esta versão, além de fazer os adversários tremerem, com certeza fará do Mineirão um caldeirão”.

Stu Cook, baixista e membro fundador presente em todas as formações e encarnações do grupo norte-americano, soube da interpretação dos atleticanos, assistiu a vídeos disponibilizados pela Galoucura no YouTube, e comentou em entrevista à revista Roadie Crew neste final de ano:
“Isso é ótimo! Estou impressionado! Sabemos que os fãs brasileiros são tão apaixonados pela música quanto pelo futebol, mas por essa eu não esperava. Quando fomos ao Brasil e tocamos em Belo Horizonte, às vezes as pessoas cantavam ‘Olê, olê, olê, olê, Creedence, Creedence’, e nunca nos esqueceremos daquelas manifestações”.
O músico ainda fez questão de deixar um registro homenageando e parabenizando o Clube Atlético Mineiro pelo seu Centenário. Ouça a mensagem de Stu Cook ao Galo e sua torcida no Solada: Música e Esporte clicando no link abaixo:

Creedence parabeniza Atlético-MG por seu Centenário - Ouça aqui!
A reportagem completa com o Creedence sairá na edição #121 da Roadie Crew, de fevereiro de 2009.

Esta não é a primeira vez que o Atlético é homenageado por uma grande banda de rock. Paul Stanley, vocalista do Kiss, exibiu uma camisa do time no palco do show da banda em Belo Horizonte, em 1983.
Já o baixista do Sepultura, Paulo Jr., costuma se apresentar vestindo uma camisa do clube, enquanto a torcida organizada Galo Metal foi um pouco mais além: convidou bandas mineiras de heavy metal para criarem músicas que homenageassem o Atlético. O resultado foi compilado em um disco comercializado pela torcida.

Veja o vocalista do Kiss, Paul Stanley, com a camisa do Atlético;

Fontes;
http://solada.wordpress.com/2008/12/21/creedence-parabeniza-atletico-mg-por-seu-centenario/
http://www.superesportes.com.br/ed_esportes/002/template_esportes_002_111624.shtml

2 comentários:

punkritu disse...

Caríssimo Wurdulak!
mt bom o site! keep on horrifying!
teve tb o show da banda madball (clássico do NYHC) em q o vocalista tocou c a camisa do galo lá no lapa!
foi fodaaaa!!!
abxx

Brainiac disse...

Cara a uns anos atrás ñ me lembro agora quando, o Napalm Death tocou em BH e se ñ me engano o baixista usou também a camisa do glorioso.
hehehe...
T++
camarada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...